21 de maio de 2013
Imprimir | Indicar a um amigo Melhores armas: água e sabão

Bactérias: O Cuidado com água e sabão

O Complexo Hospitalar Santa Casa é o segundo hospital de Porto Alegre a confirmar um caso da bactéria com forte resistência a antibióticos, a NDM-1 (New Delhi metallobeta-lactamase). 


De acordo com a coordenadora do Controle de Infecções da Santa Casa, Teresa Sukiennik, o paciente já deixou a UTI.
— Os pacientes que tiveram contato com ele estão sob investigação para evitar que a bactéria se espalhe pelo hospital — diz Teresa.


A NDM-1, que motivou a interdição de 15 leitos de UTI noHospital Conceição (para descontaminação) na semana passada, acendeu um alerta aos visitantes de hospitais.


— Essas bactérias usam nossas mãos de carona — explica o coordenador da Vigilância Sanitária de Porto Alegre, José Carlos Sangiovanni.


• Álcool gel ajuda na prevenção Embora a NDM-1 seja resistente a antibióticos mais modernos, ela não é resistente a medidas de desinfecção. 


Mesmo que o risco seja maior para pacientes debilitados, quem vai fazer uma visita precisa tomar cuidados como lavar bem as mãos com água e detergente (passar álcool gel também pode ser uma boa medida de higiene).


• Bactérias exigem cuidados extrasAlém disso, deve-se evitar tocar no doente, não sentar na cama hospitalar (pode sentar em sofás ou cadeiras), e respeitar orientações quanto ao número de visitantes no leito e a duração das visitas.

 
Outra medida importante é o uso adequado de antibióticos.


O coordenador explica que existem outros tipos de bactérias resistentes a antibióticos, como a KPC, que circula em hospitais de Porto Alegre desde 2010. 


Nos últimos seis meses, a KPC teria infectado mais de duas centenas de pacientes em UTls e emergências.


A presença dessas bactérias exige cuidados extras por parte dos profissionais e familiares de pacientes internados.
O grupo de bactérias pode provocar infecções respiratórias, renais, intestinais — como é resistente aos antibióticos, restringe as opções de tratamento.


SUPERBACTÉRIAS: SAIBA MAIS


Como se dá o contágio?•A transmissão se dá pelo contato com secreções do paciente infectado. Por isso, a primeira medida deve ser o isolamento do paciente.


Quais os sintomas?

 

• Os sintomas são os mesmos de qualquer outra infecção: febre, prostração, dores em todo o corpo e tosse.
A superbactéria mata?
• Para quem está com saúde, não há riscos. Porém, pacientes debilitados por problemas graves correm risco de vida.
Existem outras formas de prevenção?
• Além da higenização adequada do hospital e a devida prevenção dos profissionais e pacientes, com o uso de luvas, toucas e máscaras, outra medida é a coleta adequada dos resíduos.
Como ela sai da UTI?
• Médicos sempre recomendam que visitantes tenham cuidado com a higiene, lavando as mãos. Quando isso não ocorre, acabam transportando as bactérias.Como ela se propaga?
• Uma vez que a bactéria consegue sair da UTI, ela circula pelas dependências do hospital. Nesse processo, contamina os pacientes mais propensos às doenças.


Os tipos:

 

• NDM-1— O primeiro caso surgiu na Índia. Tem a capacidade de destruir os principais antibióticos.
• KPC — É uma bactéria que foi modificada geneticamente e é resistente a diversos antibióticos. E considerada endêmica (existe constantemente na Capital).



Fonte: Diário Gaúcho - Dia a Dia Pág. 6




Deseja divulgar seu evento?

Clique aqui e preencha o formulário! É simples!





Palavras de Moacyr Scliar

Na qualidade de profissional da área da saúde, tenho a maior admiração por "O Cuidador", bela publicação editada por Marilice Costi que preenche, com sensibilidade e competência, uma lacuna: aquela representada pela necessidade de amparar os que cuidam de pessoas com limitações. Este periódico é um benefício para toda a sociedade.



Aqui outros depoimentos





Produtos Culturais e Serviços Ltda. - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Brasil - Fone: +55 51 3508.8009 - [email protected]