09 de abril de 2012
Imprimir | Indicar a um amigo Cuidado com remédios para dormir!

Risco de morte pode aumentar com soníferos Uma recente
pesquisa americana publicada na revista BMJ Open apontou que o consumo de
soníferos da classe dos hipnóticos aumenta em três vezes o risco de morte. O
estudo acompanhou mais de dez mil consumidores dos medicamentos e sedativos mais
comuns. A conclusão foi que os remédios prejudicam as funções motoras e
cognitivas, aumentando o risco de acidentes de carro e de quedas em casa,
especialmente em idosos. Segundo a psiquiatra do Grupo Hospitalar Conceição,
ligado ao Ministério da Saúde, Maria Gabriela Godoy, o uso desse tipo de
medicamento só é recomendado para casos mais graves.

"A perda de sono precisa ser bem avaliada porque ela
pode ter diversas causas. Às vezes, tem um fundo depressivo, às vezes, pode ser
outros problemas. Nem sempre precisa utilizar medicação. Geralmente a gente
começa fazendo uma boa avaliação de como é essa insônia, passa orientações de
profilaxia do sono, evitar substâncias estimulantes que pode tirar o
sono".

O coordenador de gestão do Departamento de Assistência
Farmacêutica do Ministério da Saúde, Marco Aurélio Pereira, explica que para um
bom diagnóstico, o paciente deve informar passo a passo todos os sintomas.

"Percebendo qualquer alteração do ponto de vista
psíquico, a pessoa passou a ter insônia ou a pessoa passou a ter outros tipos
de distúrbios ao procurar o psiquiatra, é importante levar uma série de
informações sobre o seu hábito de vida, sobre como isso aconteceu. Pra que
obviamente, o profissional prescritor também vai ter o cuidado de não prescrever
esse medicamento para qualquer situação e ele também vai saber fazer ali a
dosagem".

O estudo americano associou ainda o uso dos soníferos com
o aumento do risco de desenvolver câncer. De acordo com a pesquisa, o risco é
35 por cento maior entre pacientes que tomavam o maior número de doses por ano
do remédio.

PESQUISA 

O estudo da equipe da Califórnia liderada pelo Dr. Kripke
foi realizado com 10.529 adultos, com idade entre 54 anos, em média, que Faziam
uso de ansiolíticos (medicamentos para dormir) entre janeiro de 20028 janeiro
de 2007. Eles foram comparados a um grupo de 23.676 pessoas que não faziam uso
de medicação para dormir. 0 período de acompanhamento do estudo foi em média de
2,5 anos.

 

 



Fonte: Jornal NH Viver com Saúde | Pág. 3 em 19.03.2012




Deseja divulgar seu evento?

Clique aqui e preencha o formulário! É simples!





Palavras de Moacyr Scliar

Na qualidade de profissional da área da saúde, tenho a maior admiração por "O Cuidador", bela publicação editada por Marilice Costi que preenche, com sensibilidade e competência, uma lacuna: aquela representada pela necessidade de amparar os que cuidam de pessoas com limitações. Este periódico é um benefício para toda a sociedade.



Aqui outros depoimentos





Produtos Culturais e Serviços Ltda. - Bairro Farroupilha - Porto Alegre - Brasil - Fone: +55 51 3508.8009 - [email protected]